sexta-feira, 23 de julho de 2010

12 horas no futuro...

Tudo começa com meu irmão. Ele fala conversa comigo mas no meio do seu discurso, uma ou outra palavra é incompreensível. Eu estranho as palavras desarticuladas mas consigo compreender o contexto geral do que ele fala. Deixo passar.

Mais tarde, um amigo conversa comigo e, dessa vez, suas frases não fazem sentido algum. Tento explicar para ele minha dificuldade em entender o que ele diz, mas quanto mais conversamos, menos nos entendemos.

Ao passar em frente a uma livraria, encontro um pequeno livro de alfabetização para crianças. Para meu mais completo terror não reconheço uma única palavra do que está escrito ali. Vejo a figura de uma maçã mas ao lado, onde deveriam estar letras M-A-Ç-Ã, estão apenas desenhos que se parecem com símbolos e que não me remetem a nada que eu conheça como alfabeto. Procuro um médico mas já é tarde demais. Eu não compreendo os sons que ele emite.

Acordo assustado e percebo que tudo era um sonho. Estou em um avião. Nos alto-falantes o piloto anuncia algo mas ainda atordoado pelo sono não presto atenção. A aeromoça se aproxima da minha poltrona fazendo sua ronda pelo avião. Ela aponta para o meu cinto e fala que não compreendo. Ela repete e... DEUS! EU NÃO ENTENDO UMA SÓ PALAVRA DO QUE ELA DIZ!! Só nesse momento que eu me dou conta de que não estou em um episódio de além da imaginação. Possivelmente, e isto é só um chute, eu não entendi o que ela disse porque a aeromoça falava em Japonês (Dãããã). SIM, pela primeira vez na vida - Konichiwa! - acabo de pousar em Tóquio.

Lendária terra de Godzilla, Ultraman, Speed Racer, Samurais, Animes e tantos outros elementos que influenciam a cultura pop moderna. Boa parte da minha infância foi, de alguma forma, conectada a esse arquipélago. Agora, finalmente, eu teria a honra
de conhecer pessoalmente.

Quase chorei de emoção quando, dias atrás, recebi a notícia de que iria participar de um treinamento de 10 dias em Tóquio, mas mantive o pouco de dignidade que ainda me resta (só pulei de alegria e chorei quando saí da sala do chefe).

A primeira coisa que notei ao chegar em Tóquio foi ver como a cidade é limpa. É tudo tão limpo que se você estiver comendo seu Sushi enquanto caminha e, por um acaso ele cair no chão, não se incomode. Simplesmente use seus palitinhos para pegar de volta o que caiu e continue a comer normalmente. Sabe a regra dos 5 segundos dos americanos para pegar comida do chão? Aqui valem 50 segundos.

Para não dizer que eu não encontrei sujeira, me deparei com um "toco" de cigarro no chão. Era possível vê-lo há uns 6 km de distância porque destoava no horiz
onte já que era o único elemento que destoava em todo o meu campo de visão (e não era um toco do tamanho Godzilla). Mas o toco estava em depressão profunda por solidão. Era o único que eu via em toda aquela rua. O asfalto, de tão limpo chega a brilhar. Não é exagero. Brilha mesmo. Acho que eles usam Glitter no chão. O asfalto parece um tipo de plástico ou um piso. É tudo tão novo e cuidado. Tudo tão perfeitinho que Tóquio parece irreal. E de fato é.

A noite, os gigantescos telões espalhados um ao lad
o do outro nos centros nervosos da cidade
fazem com que você não precise de flash para as fotos mas precise de óculos escuros para andar a noite. Na verdade, a cidade remete a um cenário de filme de ficção científica. Tem um "Q" óbvio de Blade Runner, só que mais iluminado e colorido. Sons, cores, luzes e pessoas. Tudo ao mesmo tempo agora. A disposição e confusão
criada pelos luminosos, faz com que você se sinta desorientado. Existem momentos em que você chega a desejar ser daltônico. Alguém deveria ensinar técnicas de Feng-Shui aos Japoneses.

Andar por Shibuya a noite deveria ser um tratamento recomendado para quem sofre de fobia de multidão. Ou a pessoa se cura, ou explode. Simples assim. É muita gente de uma só vez. E não há pausas. O tempo todo, GENTE. Por todos os lados, GENTE. Não há privacidade. Muita gente no metrô, nas ruas, nos restaurantes. Todos comprimidos no mesmo lugar. É uma hyper exposição a gente. Acho que vocês entenderam. GENTE! GENTE!.GENTE! Depois de Tóquio, me tranquei no meu quarto e peço comida pelo telefone.
Acho que "peguei" uma “Agorafobia” básica.

Mas essas mesmas pessoas que você que te assustam pela quantidade, são também uma das grandes atrações de Tóquio. Nunca encontrei pessoas tão bem vestidas nas ruas, ou pelo menos, tão exóticas. E olha que eu já tive oportunidade de visitar outros centros considerados capitais da moda como Roma, Paris e NY (sempre levando Renner e C&A para um passeio pelo mundo).

Então, quando eu digo que o visual das pessoas chama a atenção, não estou exagerando. São os japoneses que estão. As pessoas não só se vestem bem. Elas ousam. Cada um se veste como quer mas sem perder o estilo. Figuras estranhíssimas no metrô, homens vestindo saias escocesas em preto com boinas, convivem harmonicamente ao lado de Rockabillies ou personagens com visuais
steam-punk de sapatos pontudos e princesas foragidas dos mangás.

Você fica na dúvida se os japoneses se baseiam no modo de vestir dos personagens de animes, ou se os animes se baseiam no estilo dos japoneses. Todos (os jovens principalmente) se vestem como se estivessem em um vídeo game de “Final Fantasy” . É um carnaval de bom gosto.

E as mulheres? Ahhhhhhh (babei como Homer Simpson quando segura uma barra de chocolate... Chocolateeeee). As mulheres em Tóquio merecem um destaque especial. Confesso que, diferente de muitos amigos meus, eu nunca tive nenhuma atração por orientais. Isto até visitar Tóquio. Lá, me apaixonei a cada esquina durante os 10 dias que por lá estive, ou seja, cerca de 323 vezes. Ainda estou com taquicardia.

Todas as mulheres que esbarrei na rua eram lindas (sim, disse “esbarrei” porque você não anda, esbarra como se estivesse em um formigueiro humano). Todas novas, de sainhas curtas, botinhas e/ou meias ¾, mesmo no inverno de Tóquio, me faziam suar de calor. Elas realmente conseguem ser sexies, sem serem vulgares. E ainda tem aqueles pezinhos tortos para dentro (que todo pedólatra deve adorar) ressalta ainda mais aquele jeito “menininha” que faz derreter até o mais bruto dos homens. Muitas delas parecem umas bonequinhas. Na verdade, elas seguem uma tendência de moda chamado de Dolls que eu só vi lá. Literalmente as meninas se vestem como bonecas. E elas estão em toda cidade. Andando. Eu mesmo tive vontade de trazer umas 3 na mala. são pequenininhas e cabem em qualquer lugar.

E por falar em miniaturas, não poderia encerrar o post sem mencionar AKIHABARA, eletric city. Uma cidade com sobrenome desses tem que ser muito legal. Toda cidade deveria ter um apelido desses. Tipo, Brasília, “What-we-though-would-be-the-future-city”. Hummm.. melhor não.

De qualquer forma, Akihabara como cidade não seria grande coisa, se não fosse o fato de se tratar da capital mundial dos nerds. Nas ruas, jovens caminham travestidos de personagens de animes. Tudo que você imaginar sobre eletrônico, o universo mangá, anime você vai encontrar em Akihabara Vídeo games, relógios, computadores, Action figures, acessórios. Meus sensores nerds tilintavam. Eu sorria enquanto andava. Meus olhos brilhavam. Entrei numa loja de 6 andares só com mangás. Outra, seis andares só com animes e action figures, brinquedos.

Pena que no meu grupo eu era o único que via algum valor nessas coisas. Saí de lá arrastado, agarrando em postes enquanto as pessoas me puxavam pelas pernas e eu gritava apontando para as vitrines com os olhos arregalados:

- EVANGELION! ULTRAMAN! GODZILAAAAAAAAAA!!!


3 comentários:

James Figueiredo disse...

FINALMENTE atualizou isso aqui, hein?!

Tudo bem queagora a vibe é "sou viajado, fervido, cool, descolado, vitaminado, dietético, bem vestido, limpinho e não me misturo com essa gentalha", mas vê se não fica mais dois anos sem postar nada! ;)

Abraço,
J.

P.S.: Needs more photos.

RENATA PIRES disse...

uhuuuu, atualização...Até que enfim!!! :)

Anônimo disse...

Tóquio é muito a sua cara!
Adorei o texto. Que bom que está de volta! :)
Madeixas de Vênus.